Início home Sobre home Pesquisas home índice home Colaboradores home Eventos home Buscar
s Fundamentos   Teses
  Design Industrial e Diversidade Cultural
 
Os requisitos de uso dos móveis, quanto ergonomia, variam entre determinados mercados. No Japão, por exemplo, o hábito das pessoas se sentarem junto ao chão tem levado ao desenvolvimento de móveis com alturas adequadas para tal (ver Figura 459).

O grau de exigência, em relação segurança dos móveis, varia entre pessoas de culturas distintas.

“... comparando-se o Brasil com a Europa, por exemplo, eles têm um compromisso muito mais forte com a lei. Se uma pessoa, por exemplo, cai e quebra a perna, se paga por isso. E aqui não se paga. Aqui se faz meia nota, se vende sem nota...”, observa Trevisan (2001).

Há o caso do uso do vidro temperado, sobre o qual existem leis que regem em questões de segurança, mas que as empresas moveleiras não as costumam seguir no Brasil.
    ... Se, digamos, uma pessoa se machucar, pode até correr um processo e pagar-se uma pequena indenização. Mas, lá fora, não. Lá fora, a exigência é muito grande. [...] Lá fora, fazem inúmeros testes, antes de colocar uma cadeira no mercado. Aqui, normalmente as empresas fazem o protótipo, fotografam e vão colocando a cadeira no mercado, sem fazer teste nenhum (RODRIGUES, 2001). [sem grifo no original]

Content on this page requires a newer version of Adobe Flash Player.

Get Adobe Flash player

Na Inglaterra, há duas normas com relação segurança de vidros em móveis em geral: BS 7449 (segurança do vidro nos armários) e BS 7376 (segurança do vidro nas mesas e carrinhos), e os móveis de cozinha são atualmente controlados pela norma européia EN 1153, “que especifica que qualquer vidro entre 900 mm do chão dever ser vidro de segurança ou vidro testado contra impactos” (AITKENHEAD , 2002, p. 80).

A Escriba, que atua no segmento de móveis para escritório, foi obrigada a seguir normas internacionais de segurança, em virtude de sua atuação no mercado externo. A empresa precisou solicitar o “Selo UL” 250▼, dos Estados Unidos, que homologa produtos sobre itens de segurança. E o sistema DIN tem influenciado muito o dimensionamento de seus móveis (CALEJO, 2001).

O maior grau de exigência dos consumidores quanto qualidade dos móveis, por parte do mercado europeu, tem levado as empresas a informarem-nos sobre os ensaios de qualidade a que são submetidos os produtos, tais como os de resistência estrutural, segurança, acabamento e resistência superficial, especificações e características funcionais, dentre outros (ver Figura 460).

A empresa moveleira espanhola Hermanos Vaquer S.A., por exemplo, traz as seguintes informações sobre os padrões de qualidade de seus produtos, em seu ambiente de interface gráfica na Internet:
    A qualidade dos produtos de Hermanos Vaquer S.A. vem avalizada pela etiqueta de qualidade da AIDIMA (Instituto Tecnológico del Mueble y Afines). Todos os nossos artefatos superaram satisfatoriamente os requisitos exigidos para a concessão da E.C.C (Etiqueta de Calidad Controlada), segundo normas UNE: controle dos produtos acabados sobre matérias primas e de nosso sistema organizacional de produção. Ensaios: Resistência estrutural, armários e similares: UNE 11016; Requisitos de segurança de móveis: UNE EN 1727; Acabamento de móveis de madeira. Resistência superficial: UNE 11019; Especificações e características funcionais, armários: UNE 11023; Resistência estrutural, camas: UNE EN 1725. Com o objetivo de alcançar a maior eficiência, Hermanos Vaquer S.A. conta com um Departamento de Controle de Qualidade, que busca assegurar a satisfação dos consumidores. Hermanos Vaquer está comprometida ativamente com a conservação do meio ambiente e por este encontra-se vinculado ao sistema integrado de gestão de caixas e resíduos de caixas de ECOEMBALAJES ESPAA S.A. (ver Figura 460)
FIGURA 460 -	PÁGINA DA EMPRESA MOVELEIRA HERMANOS VAQUER S.A. NA INTERNET, COM INFORMAÇÕES SOBRE OS ENSAIOS DE QUALIDADE A QUE SÃO SUBMETIDOS SEUS PRODUTOS (ESPANHA, 2004)
FIGURA 460 - PÁGINA DA EMPRESA MOVELEIRA HERMANOS VAQUER S.A. NA INTERNET, COM INFORMAÇÕES SOBRE OS ENSAIOS DE QUALIDADE A QUE SÃO SUBMETIDOS SEUS PRODUTOS (ESPANHA, 2004)
Informações mais detalhadas sobre testes de qualidade, como se observa no exemplo anterior, não têm sido prestadas pelas empresas brasileiras de móveis aos consumidores.

De acordo com a ABIMÓVEL / PROMÓVEL (1999), uma das falhas apontadas pelos consultores americanos, em relação aos móveis brasileiros, refere-se ao encosto das cadeiras, que deveriam possuir ângulos ergonomicamente corretos.

Segundo Calejo (2001), a Escriba foi obrigada a solicitar para seus produtos, em vista de sua atuação no mercado externo, o “Selo UL”, homologado por um laboratório dos Estados Unidos. Para tanto, foi necessária a vinda de técnicos norte-americanos, que permaneceram na empresa durante um certo período.

Os Estados Unidos possuem normas de embalagens mais rígidas, comparativamente ao Brasil, porque lá há lojas que entregam a mercadoria através do correio, o que não costuma ocorrer neste país, onde as lojas geralmente utilizam transportadora própria ou terceirizada para as entregas.

Outro exemplo de implicações da diversidade cultural nos requisitos de uso dos móveis é o sistema de montagem dos mesmos. Enquanto que, nos Estados Unidos, Japão e Europa, o sistema “monte você mesmo” (Ready-to-Assemble (RTA) = Self Assembly) já se encontra relativamente bem difundido, a sua assimilação tem sido lenta e ainda bastante restrita no Brasil.
    Lá [nos Estados Unidos], praticamente a família compra peças de móveis e acaba fazendo como passatempo, no fim de semana. O nível das pessoas é bem diferente, assim como na Europa. o "compre e monte". Compra-se prateleira, o tampo da cozinha, e se monta muita coisa em casa, em fins de semana. Então, o mercado é diferente. Aqui tem alguma coisa disso. A Tok Stok está começando nisso da e a Wall Mart também, e em algumas lojas grandes de São Paulo já tem alguma coisa, mas muito pouco. Está começando no Brasil, mas muito lentamente (TORRESAN, 2001).

Content on this page requires a newer version of Adobe Flash Player.

Get Adobe Flash player

Vale lembrar a experiência da poltrona da linha de móveis “Peg Lev” (ver Figura 136), desenvolvida por Michael Arnoult, em 1972, com base no conceito “monte você mesmo”, que não obteve o sucesso comercial no Brasil, sobretudo pela baixa absorção deste tipo de sistema de montagem pelas pessoas deste país.

Várias empresas norte-americanas, japonesas e européias têm comercializado móveis do tipo “monte você mesmo” (ver Figuras 461 a 463).


FIGURA 461 -	MESA DE COMPUTADOR E ESTANTE DA MARKS & SPENCER, DO TIPO “MONTE VOCÊ MESMO” (INGLATERRA, 2004) FIGURA 461 -	MESA DE COMPUTADOR E ESTANTE DA MARKS & SPENCER, DO TIPO “MONTE VOCÊ MESMO” (INGLATERRA, 2004)
FIGURA 461 - MESA DE COMPUTADOR E ESTANTE DA MARKS & SPENCER, DO TIPO “MONTE VOCÊ MESMO” (INGLATERRA, 2004)
FIGURA 462 -	CAMA DE CASAL E CÔMODA DA ARGOS, DO TIPO “MONTE VOCÊ MESMO” (INGLATERRA, 2004) FIGURA 462 -	CAMA DE CASAL E CÔMODA DA ARGOS, DO TIPO “MONTE VOCÊ MESMO” (INGLATERRA, 2004)
FIGURA 462 - CAMA DE CASAL E CÔMODA DA ARGOS, DO TIPO “MONTE VOCÊ MESMO” (INGLATERRA, 2004)

FIGURA 463 -	ARMÁRIO GUARDA-LOUÇA E CÔMODA DA MUJI, DO TIPO “MONTE VOCÊ MESMO” (JAPÃO, 2004) FIGURA 463 -	ARMÁRIO GUARDA-LOUÇA E CÔMODA DA MUJI, DO TIPO “MONTE VOCÊ MESMO” (JAPÃO, 2004)
FIGURA 463 - ARMÁRIO GUARDA-LOUÇA E CÔMODA DA MUJI, DO TIPO “MONTE VOCÊ MESMO” (JAPÃO, 2004)


250▲ A sigla UL refere-se a “Underwriters Laboratories Inc.”, organização fundada em 1894, independente, não-lucrativa, para teste e certificação de segurança de produtos (Informação disponível em: http://www.ul.com/about/index.html. Acesso em: 15 mar. 2004).
 página anterior PÁGINA 02 próxima página  
Todos os direitos reservados - Copyright © Maristela Mitsuko Ono 2004 / 2007 / 2009.