Início home Sobre home Pesquisas home índice home Colaboradores home Eventos home Buscar
s Fundamentos   Teses
  Design Industrial e Diversidade Cultural
 
    Uma discussão curiosa que surgiu, há alguns anos atrás, foi sobre lavadoras de roupa para as quais nós estávamos definindo plataformas para o Brasil e Argentina (nós temos fábrica na Argentina também). E foi difícil, em uma discussão com o pessoal dos Estados Unidos, para eles entenderem que o Brasil e Argentina são completamente diferentes. Para a percepção deles, é tudo a mesma coisa; que aqui é tudo pertinho, somos todos parecidos e falamos igual. E para explicar para eles que, no Brasil, só se vende lavadora Top Load, com tampa por cima, e que na Argentina só se vende Front Load... O gringo olhava e dizia: "Vocês estão loucos! Para que nós vamos ter duas diferentes? Vamos fazer uma só.". E, então, eu dizia: "Você quer vender aonde? Lá na Argentina? Então está bem, vamos lançar a Front Load, mas no Brasil não vai vender. No Brasil, 6% do mercado é Front Load, e lá é o contrário". (GAMA JÚNIOR, 2001).
      Escutar trecho em áudio:
Em um certo momento, a Enxuta, a Continental, dentre outras empresas, introduziram a Front-Load, tendo em vista que este tipo de lavadora é, tecnicamente, melhor que a Top-Load. Entretanto, a lavadora Front-Load faz parte de uma cultura européia, e, especificamente no caso de lavadoras de roupa, o público consumidor brasileiro possui uma cultura mais próxima à norte-americana. “... no Brasil ficou-se com aquela idéia de que lavadora tem que ser grande, robusta, pesada, de aço e de colocar a roupa por cima”, do tipo das americanas. “... Elas têm que encher de água, possibilitar olhar a roupa girando lá dentro, e têm que ter aquele agitador no meio (que, em vez de melhorar a lavagem, piora, pois acaba estragando as roupas mais delicadas)”. “... o mercado exige que se tenha esse tipo de máquina”, afirma o Entrevistado “I” (1998).

Para os europeus, “a Front-Load é perfeita”, porque estão habituados a se organizar, a se programar para por as roupas dentro da máquina, e a colocá-la para funcionar, observa o Entrevistado “J” (1998). (ver Figura 492).

De um total de vinte e sete modelos de lavadoras de roupa Electrolux comercializadas na Suécia, somente duas são do tipo Top-Load. As demais são Front-Load.256▼
EWF1645 Timeline
Figura 492 -  LAVADORAS DE ROUPA front-load ELECTROLUX “ewf1235” e “ewf1445” (suécia, 2004)
Na opinião da Entrevistada “A” (1998), a lavadora do tipo oriental, que funciona por tombamento, mas tem abertura superior, “seria o ideal para o mercado brasileiro” (ver Figura 493). Uma das vantagens apresentadas por este modelo é que seu dimensionamento é menor, porém possui uma grande capacidade. Entretanto, até o momento, não se tem observado, no Brasil, um investimento no sentido de se criar um desejo de compra para este tipo de lavadora, já bastante consumido também pelos europeus.
Figura 493 - lavadora de roupa TOP-load toshiba “tw80ta”, DO TIPO, e ilustração mostrando sistema de lavagem POR TOMBAMENTO (japão, 2004)
Os requisitos de uso, quanto ao tipo de comunicação gráfica dos eletrodomésticos, também variam em função da diversidade cultural dos usuários.

Os brasileiros geralmente têm dificuldades para interpretar “pictogramas”, como os utilizados em produtos suecos (ver Figura 498), por exemplo, em virtude de possuírem um repertório de signos distinto e, principalmente, pela falta de hábito de leitura de manuais de instrução de uso. Por este motivo, utiliza-se, preferencialmente, o máximo de “textos” na comunicação gráfica de produtos comercializados no Brasil (ver Figura 500).
Figura 498 -  PAINel DE comandos do FORNO de MICROONDAS ELECTROLUX “heatwave autocook & grill”(suécia, 1996)

256▲ Informação disponível em: <http://www.electrolux.se>. Acesso em: 22 mar. 2004.
 página anterior PÁGINA 02 próxima página  
Todos os direitos reservados - Copyright © Maristela Mitsuko Ono 2004 / 2007 / 2009.